Projecto Boomerang - Alimentação Saudável

16 de novembro

Integrado no âmbito do Projecto Boomerang da Associação de Estudantes da Faculdade de Lisboa, um grupo de ex-alunos da Escola Básica e Secundária de Ourém que frequentam o 1º ano dos cursos de medicina e ciências da saúde nesta faculdade, constituido por Inês Neves, José Durão e Nuno Silva, deslocou-se à escola para promover junto dos alunos do ensino secundário uma palestra subordinada à temática da Alimentação Saudável. Como não poderia deixar de ser a equipa do Projecto Bichinho da Fruta esteve presente e foi com agrado que ouviu os jovens numa amena conversa com os alunos da escola sobre alimentação, numa linguagem cuidada mas que conseguiu captar a atenção da plateia conversaram sobre as necessidades calóricas e nutritivas básicas e a importância de conhecer os alimentos que ingerimos, apresentaram alguns exemplos do que os jovens consomem no seu dia-a-dia e desmistificaram algumas noções que todos temos como certas/erradas relativas à alimentação.

Para os que não puderam assistir a esta palestra deixamos uma cópia da apresentação projetada, gentilmente cedida pelos palestrantes.

Projecto Boomerang - Alimentação Saudável
Apresentação realizada por Inês Neves, José Durão e Nuno Silva a 16 de novembro no auditório da Escola Básica e Secundária de Ourém.
Boomerang - Alimentação Saudável.pdf
Documento Adobe Acrobat [1.6 MB]
Baixar

Publicidade e as crianças

14 de junho 2012

No passado dia 14 de Junho, a equipa do Projecto Bichinho da fruta esteve presente no IPL – Instituto politécnico de Leiria para participar no Seminário de publicidade infanto-juvenil, promovido pela APDC – Associação portuguesa de direito do consumo. A partir das perspectivas apresentadas, a equipa descobriu vários factores que considera pontos de partida importantes para análise de toda a comunidade educativa e que, esperamos, sejam alvo da vossa atenção!

Paulo Morais interveio sobre A publicidade infanto-juvenil: educação ou proibição?, apresentando os seus argumentos a favor da proibição. Destes, diversos fatores relacionam apermissividade à publicidade: a idade, a identidade de grupo e o nível educacional da família. Como resultado, é possível constatar que a exposição à publicidade influencia o desenvolvimento do indivíduo, a saúde e o aumento de problemas comportamentais. Os padrões de consumo estabelecidos podem funcionar como fatores de exclusão dos indivíduos que não os adotam, sendo que estes confrontam-se com dificuldades de integração e identificação, falando-se já de “bullying de marca”.

Atenção! Pais! é possível constatar que 40% das compras que fazem são influenciadas pelos vossos filhos.

No âmbito de Alimentação e bebidas – seus efeitos na obesidade infantil, a Dr.a Filipa de Carvalho Soares, do IPL, considerou que, do ponto de vista da publicidade, “a criança é a alma do negócio”, sendo que o marketing cria necessidades, dita as preferências, a decisão de compra e os hábitos de consumo. As escolhas alimentares não estão primariamente associados à saúde mas ao paladar, ao custo dos produtos, à influência dos outros, à embalagem, à disposição dos alimentos nas prateleiras.

Atualmente, a par do aumento da obesidade, verifica-se já o acréscimo de outras patologias associadas à má alimentação. Assim, sentimos já hoje também o reflexo económico desta situação: o valor correspondente é cerca de 680€/ano por cada obeso, isto é, 1,7 vezes superior aos gastos com indivíduos sem este problema! Sabemos que crianças obesas correspondem a adultos obesos!

A questão é, portanto, pertinente: Limitar, educar ou confiar na autorregulamentação da publicidade?

V Forum de Projetos de Prevenção de Obesidade

1 e 2 de junho 2012

A Equipa do Projecto Bichinho da Fruta assistiu ao V Fórum Internacional de Projetos de Prevenção da Obesidade, que decorreu nas instalações da Faculdade de Medicina de Lisboa organizado pela Faculdade de Medicina de Lisboa em colaboração com a Direção Geral da Saúde e a Plataforma contra a Obesidade, sob a direção científica da Professora Isabel do Carmo e do Dr. Pedro Graça.

 

De entre as várias preleções a que assistimos gostaríamos de salientar:

 

A Drª Gemma Salvador, dietista da Direção Geral de Saúde Pública apresentou alguns dos programas e projetos em desenvolvimento na província autónoma da Catalunha (Barcelona) com o objetivo de combater a obesidade infantil, nomeadamente o ALADINO (Estuda a prevalência da obesidade infantil na região), o NAOS (Estratégia conjunta de um conjunto alargado de serviços da comunidade da Catalunha que procura combater a obesidade), o PAAS (programa que promove a alimentação saudável e atividade física na região), o PREME (programa que avalia nutricionalmente as refeições servidas em ambiente escolar), o PAFES (plano de atividade física, desporto e saúde) AMED (Sistema de certificação de restaurantes que na sua ementa integram refeições saudáveis) e o programa ESCALERES (incentiva a população geral a subir as escadas em substituição do elevador ou mesmo das escadas rolantes).

 

A Drª Carla Lopes, da Universidade do Porto, apresentou alguns aspetos a ter em conta no momento de definição e avaliação de projetos de intervenção comunitária de combate à obesidade.

 

Assistimos com especial atenção a apresentação do projeto Lancheiras implementado na região do Alentejo pelo Núcleo Regional da Plataforma contra a Obesidade, pela Drª Cristina Miranda.

A equipa do Projecto Bichinho da Fruta, a convite da organização apresentou um poster representativo do trabalho desenvolvido desde o ano letivo 2010-2011 no Agrupamento de Escolas Ourém.

Ciclo de conferências - O futuro da alimentação

11 de abril 2012

A equipa do Projecto Bichinho da Fruta assistiu, à conferência Alimentação e Saúde com as preleções dos professores Professor Tim Lang e Pedro Graça, integrada no ciclo de conferências organizado pela Fundação Calouste Gulbenkian em colaboração com o jornal Público.

 

Tim Lang, professor de políticas alimentares na Universidade de Londres ofereceu uma visão geral sobre a dificuldade de reunir saúde humana e saúde ambiental através da alimentação, argumentando que está agora a surgir uma análise sofisticada, que, apresenta desafios para a política pública, uma vez que as estruturas políticas atuais estão segmentadas, quando o século XXI precisa, isso sim, de ideias e medidas políticas integradas.

 

Já o professor Pedro Graça, Diretor do Programa Nacional de Promoção da Alimentação Saudável da DGS/MS) referiu que nos últimos anos a comunidade científica tem procurado encontrar diversos modelos de consumo de nutrientes que permitam ao ser humano viver mais tempo e com maior qualidade de vida. Apesar de muitas incertezas, tem vindo a ser possível definir um conjunto de recomendações nutricionais relativamente consensuais em algumas áreas. Elas são a base do trabalho dos técnicos de nutrição e outros profissionais de saúde. A dificuldade de colocar estas recomendações em ação, ou seja, transformar recomendações nutricionais em recomendações alimentares, prende-se com a dificuldade de transformar conceitos globalmente aceites (as necessidades nutricionais dos seres humanos) em políticas locais concretas que possam dar resposta a objetivos de produção agrícola local, de proteção do ambiente ou de modelos de educação, que podem variar consoante os diferentes modelos de desenvolvimento. Surge então a dúvida se podemos utilizar como referência um modelo de consumo nutricional adequado, podemos também importar um modelo global de consumo alimentar?


Esta e outras questões serão respondidas nas restantes sessões deste ciclo de conferências. 

Conferência Internacional sobre Obesidade Infantil

6 a 9 de julho 2011

No passado dia 8 de Julho, O Projecto Bichinho da Fruta participou na sessão relativa à promoção da saúde nas escolas e nas comunidades integrada na 1ª Conferência Internacional sobre Obesidade Infantil, organizada pelo Departamento de Ciências da Nutrição da Universidade Atlântica, que decorreu no centro de congressos Oeiraspark entre os dias 6 e 9. Neste, para além da relevância dos assuntos abordados pelos diversos oradores nacionais e estrangeiros, representando entidades como a Organização Mundial da Saúde, a Associação Internacional para o Estudo da Obesidade, a Rede Europeia da Obesidade Infantil, o Instituto Nacional da Saúde e a Direcção-Geral da Saúde, foi especialmente interessante constatar que a nível europeu estão em desenvolvimento um conjunto alargado de intervenções no âmbito do combate à obesidade infantil.

Entre os diversos oradores regista-se uma breve epítome:

Assim, Tânia Jorge/Bettina Ehrenblad (Portugal/Suécia), respectivamente da Universidade do Porto e do Instituto Karolinska,:salientaram a importância do consumo de frutas e vegetais tendo apresentado como resultados mais relevantes do estudo conduzido o facto de as refeições, quando tomadas em conjunto e com a TV desligada, se traduzir num aumento do consumo de vegetais e frutas por parte não só das crianças mas também dos restantes familiares.

Ladda Mo-Suwan (Tailândia), da Universidade de medicina Prince of Songkla, apresentou como resultados mais relevantes do estudo efectuado o aumento de peso verificado nas crianças durante as interrupções lectivas ser consequência, por um lado, do tempo dispendido em frente ao computador e à TV e, por outro, do tipo de lanches e bebidas que a criança consome nesse período. Interessante também constatar a correspondência detectada entre a existência de uma mesada (que proporciona o acesso a produtos alimentares normalmente proibidos) e o ganho de peso por parte das crianças.

Carolyn Summerbell (Reino Unido), da Universidade de Durham, apresentou uma resenha dos aspectos que considera como mais relevantes de alguns programas de combate à obesidade infantil já implementados, a nível nacional ou regional, em alguns países europeus e na Austrália, de onde salientou a importância da colaboração de todos os profissionais envolvidos para o sucesso dos programas e a necessidade do envolvimento da comunidade, ou pelo menos de elementos chave da comunidade, no desenho e no desenvolvimento da intervenção.

Foram ainda apresentados os Programas de Intervenção: PERSEO e THAO de Espanha e MUNSI e POZ de Portugal, baseados em dinâmicas desenvolvidas no seio das próprias comunidades.

Após a sessão, o Projecto Bichinho da fruta estabeleceu contactos no intuito de promover a troca de experiências para o desenvolvimento do projecto.

Harry Rutter (Reino Unido), do Observatório nacional de obesidade do Reino Unido, conduziu uma das intervenções que considerámos mais interessantes, dado que procedeu a uma abordagem sistémica da problemática da obesidade, desde logo questionando-a enquanto epidemia ou endodemia e salientando a necessidade de uma abordagem multifacetada. Segundo a sua perspectiva, cada área cientifica deverá centrar-se na sua especialidade sem, no entanto, perder de vista o conjunto, adoptando uma terminologia comum passível de ser compreendida por todos os intervenientes e, posteriormente, disponibilizada numa linguagem acessível a toda a comunidade, por forma que, a mensagem chegue, de facto, a cumprir os seus objectivos e se traduza na mudança de mentalidades e atitudes desejadas.

Ezequiel Pinto (Portugal), da Universidade do Algarve, foi autor de uma intervenção que consideramos também relevante, dado que mais do que a apresentação do projecto, procedeu a um balanço critico dos resultados da sua implementação, não temendo apontar os aspectos menos conseguidos, dado considerar que o sucesso pode ser medido de diferentes formas o que implica uma cuidada análise, de factores quantitativos mas, sobretudo, qualitativos. Pode ser medido por: aumento da consciencialização do problema; opiniões dos envolvidos; indicadores que são por vezes difíceis de obter/recolher.

Bem comer para bem viver com Dr. Fernando Póvoas

10 de novembro 2010

Muito perdeu quem ontem não quis sair de casa para ouvir a palestra do Dr. Fernando Póvoas. Com casa cheia, conseguiu ser simples, directo e incisivo. Adequando a linguagem à plateia focou os aspectos principais sobre obesidade adulta e infantil centrando a sua exposição nas causas, consequências e tratamento da obesidade.

Dia Mundial da alimentação

15 de outubro 2010

No passado dia 15 de Outubro, O Projecto Bichinho da Fruta participou na sessão comemorativa do dia mundial da alimentação, subordinado ao tema O direito à alimentação e a Luta contra a fome, organizado pela DGIDC, DGS e Plataforma Contra a Obesidade, que decorreu no Auditório da Maternidade Alfredo da Costa. Neste, para além da relevância dos assuntos abordados pelos diversos oradores (Elsa Feliciano, nutricionista do Departamento de Saúde Pública da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, Sofia Rodrigues, do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, António Correia Pinto, vereador da Educação da Câmara Municipal de Matosinhos e Pedro Graça, chefe da Divisão da Plataforma Contra a Obesidade), foi especialmente interessante constatar a experiência adquirida pela Câmara Municipal de Matosinhos no contexto da promoção do consumo de frutos e hortícolas em meio escolar. O Prof. António Correia Pinto, transmitiu alguns exemplos de actividades desenvolvidas na implementação deste programa e procedeu ao balanço do mesmo ressalvando o impacto do projecto, que está a ter grande aceitação e efectivamente a promover o aumento do consumo deste tipo de produtos, apesar de alguns constrangimentos. Após a conferência, o Projecto Bichinho da fruta estabeleceu contactos no intuito de promover a troca de experiências para o desenvolvimento do projecto.

A importância do pequeno-almoço

10 de fevereiro 2010

Enquanto professores de Educação Física somos frequentemente confrontados com casos de alunas, mais do que alunos, que após a realização de uma actividade física mais exigente apresentam sintomas, mais ou menos graves, de uma alimentação incorrecta. São vários os alunos que quando inquiridos afirmam que o pequeno-almoço foi: “Nada, porque não consigo comer logo de manhã”; “Uma peça de fruta” ou “Um iogurte”, não fazendo nenhum reforço alimentar no período da manhã.

Um pequeno-almoço saudável e equilibrado é essencial a qualquer jovem para que este comece bem o dia. O pequeno-almoço deve fornecer nutrientes em quantidades adequadas, de modo a oferecer à criança a energia necessária para o desempenho das suas funções, optimizando as capacidades cognitivas e facilitando os processos de aprendizagem. Estudos referem que quando as crianças tomam o pequeno-almoço, estão facilitadas funções como a concentração, aprendizagem, pensamento e comportamento.

Decidimos que basta, não chega constatar, é preciso actuar, promovemos então, com a colaboração da dietista Florence Gil, para os alunos que frequetam os 9º e 10º anos de escolaridade uma sessão de informação/sensibilização sobre a importância do pequeno-almoço, para a necessidade de alterar hábitos alimentares incorrectos ajudando os nossos alunos e respectivas famílias a assumirem estilos de vida mais saudáveis, fazendo coincidir o que é ensinado na sala de aula com a sua aplicação na alimentação na escola e em casa , fazendo da escola um meio promotor de escolhas alimentares saudáveis, não só no almoço como também nos lanches da manhã e da tarde e promovendo mudanças efectivas de comportamentos e rotinas diários o que diz respeito à alimentação.

A esta sessão compareceram 86 alunos do 10ºano e alunos do 12º ano que, no âmbito da disciplina de área de projeto, se encontravam a desenvolver trabalhos relativos à temática da alimentação saudável. Os alunos participaram de forma entusiástica na sessão quando para tal solicitados e, no fim, foram-lhes apresentadas algumas sugestões de produtos alimentares de cada um dos grupos alimentares a incluir num pequeno-almoço que se quer equilibrado, saudável e variado.

Na avaliação da sessão os alunos referiram ter, na sua maioria, gostado da mesma e aproveitado para recolher informações úteis e aprofundar conhecimenos, como atesta o gráfico anexo.

Um projecto

Grupo de Educação Física

Com o apoio de: